Você sabe o que é swing? Apimente sua relação com essa prática sexual!

O sexo está caindo na rotina? Não aguenta mais fazer sempre as mesmas coisas com o parceiro? Talvez esteja na hora de experimentar novas práticas eróticas! Uma das melhores opções é o swing. É comum os casais não aceitarem esse tipo de atividade por falta de conhecimento ou medo do que vão encontrar. Mas a curiosidade é instigante, e acaba com o tédio de qualquer relação!

É difícil para algumas pessoas distinguirem sexo de amor, mas ambas podem ser completamente diferentes, principalmente quando o vínculo entre o homem e a mulher é superficial. Outro problema é quando estamos prestes a oficializar uma união, e começamos a imaginar que, provavelmente, transaremos para o resto da vida com aquele parceiro. A exclusividade sexual pode subir a cabeça e, em última instância, rolar uma traição.

Ao invés de enganar o companheiro ou cair na infidelidade do outro, alguns casais optam em uma escolha mais inteligente e diferenciada, propondo para o homem ou mulher, uma abertura sexual esporádica, em nome do prazer dos dois. É o que o swing tem como maior objetivo. Quer conhecer mais sobre essa prática? Dá só uma olhada e descubra a satisfação que ela pode te proporcionar.

O que é o Swing?

Você não tem a menor ideia do que seja o swing? Tudo bem, nós te explicamos! A relação consiste, basicamente, na troca de casais. Ou seja, você e seu parceiro, convidam outras duas pessoas de sexos opostos para participar do ato, ocorrendo uma maior variedade na hora H e podendo misturar com que parceiro deseja ter prazer, possuindo, às vezes, um revezamento.

É importante salientar que o casal esteja de acordo com as circunstâncias e a ideia, e que nem todos os participantes precisam se envolver. Um pode ficar apenas observando enquanto há o desenlace da relação, sem entrar na brincadeira. Ou, ainda, atuar de maneira menos efetiva, tocando partes do corpo, estimulando ainda mais o prazer. Vale o que for combinado, e mesmo o ambiente sendo mais liberal e descontraído, as regras são claras e ninguém é obrigado a fazer nada que não queira.

Esse sexo grupal é visto por muitos como uma forma recreativa ou social de interação. É interessante, já que foge do tédio, fortalecendo a intimidade e a amizade. O swing pode até tornar o casamento mais feliz, deixando o sexo melhor.

Suas diferentes formas

Existem diversas maneiras de praticar o swing, e isso varia conforme os acordos e regras estabelecidos entre os parceiros. Olha só algumas delas:

Soft Swing é quanto não envolve penetração. Você pode fazer outros tipos de carícias, beijos e sexo oral, mas não há penetração, só preliminares. O Full Swing é quando você tem tudo, ou seja, não há limites para a diversão, desenvolvendo todo o conjunto. Não é necessário também que uma pessoa fique com outro do mesmo sexo, caso sua opção sexual não seja a bissexual, podendo, apenas, existir a troca entre gêneros opostos.

Clube de Swing

As festas de Swing são espaços semelhantes às baladas, com pista de dança e bar, onde você pode encontrar e conversar com as pessoas que te agradarem ou chamarem sua atenção. É importante salientar que apenas maiores podem entrar nesses locais, e em alguns ainda há a limitação de comparecer o casal, não conseguindo transpor o ambiente sozinho, afinal, o intuito é haver a troca de parceiros.

O que acontece lá dentro, é claro, fica decido conforme as regras do casal, ou seja, uma mulher pode observar o seu marido tendo relação com outras pessoas sem nenhum problema. Algumas pessoas até gostam de ser observadas e já vão até esses locais com essa finalidade. Existem também as noites temáticas, que vão de acordo com fetiches, possuindo uma programação especial.

Mas é evidente que não é um estabelecimento sem controle, onde ninguém é de ninguém. Muito pelo contrário, os clubes apresentam leis próprias e espaços privados ou específicos para os atos sexuais. Geralmente há uma divisão de recintos. A boate onde toca música tem estruturas próprias, com brincadeiras eróticas e apresentações de stripteases masculinos e femininos, que podem ou não interagir com o público. Os casais também podem participar dos strippers, e objetos sexuais também estão dispostos pelo salão.

Já os espaços íntimos variam conforme o local, podendo haver uma grande diversidade que satisfazem os fetiches dos usuários. Alguns exemplos são: o camão, uma cama maior onde vários casais praticam sexo e outros podem ficar observando ao redor; darkroom, ou quarto escuro, são ambientes sem iluminação, que estimulam o olfato e a audição, com poltronas ou sofás nos quais os casais trocam carícias ou mesmo se relacionam; Aquário, quarto com paredes de vidro possibilitando que as pessoas vejam outras transando; e o labirinto, sala com pouca iluminação, estruturada na forma de labirinto, cujo objetivo é encontrar a saída e enquanto faz isso troca carícias com diversos casais.

Para dar certo

Geralmente, o casal que aceita fazer a prática do swing já está muito bem resolvido quando o assunto é fantasia sexual e concordam em realizar o fetiche. Além da confiança, é preciso avaliar se o seu relacionamento tem maturidade suficiente para aproveitar os momentos de sexo com desconhecidos. Não é legal, muito menos divertido, quando apenas um dos companheiros quer e o outro pensa de outra maneira. Não pressione ninguém e não faça nada por impulso ou por querer agradar, a experiência pode ser traumatizante e levar o fim do relacionamento.

O prazer deve ser compartilhado, nada individual, o principal foco do swing é que o casal goze desse momento especial juntos. Por isso que fazer um acordo antes é indispensável. Estabeleçam regras e conversem sobre todos os detalhes possíveis para que as coisas fiquem bem claras, mostrando que há limites. Sem contar que você não precisa necessariamente participar, como dito acima, a experiência coletiva pode ser alcançada de diversas formas. Só o fato de estar inserida em um meio como os clubes de swing, seu libido pode aumentar e alcançar o prazer sem esforços.

Deixe um comentário